Com boas opções as gordinhas surpreendem com suas lingerie

0 Comments


Mulheres GG têm opções sensuais de lingerie


Um pneuzinho aqui, uma celulite ali, alguns quilos extras na balança e pronto: está formada a neura que impede muitas mulheres gordinhas a explorarem o seu lado mais sensual. O problema é comum, mas a solução pode estar na loja de lingerie mais próxima - o que não falta são opções para valorizar mulheres cujas medidas não atendem à ditadura do "manequim 36", mas que esbanjam curvas pra lá de sensuais.

Uma reclamação frequente, por parte deste público, tem a ver justamente com a escassa oferta de peças atraentes em numerações maiores. O "Fale conosco" do site da marca DeMillus confirma: "Por que só os tamanhos menores são bonitos? Nós que usamos tamanho 52 precisamos de lingeries bonitas para realçar a beleza dos seios grandes. Dá até vergonha usar estes modelos da época da vovó. Por favor, me ajudem", diz uma das críticas repassadas ao Terrapela vice-presidente da empresa, Eva Goldman.

Ela explica que o site foi uma das fontes de pesquisa para a criação de modelos em tamanhos especiais, que hoje vão até a numeração 54, para sutiãs, e extra grande (XG), para as calcinhas. "Trata-se de um público cada vez mais aberto a exibir sua sensualidade, independente de estar fora do padrão de beleza considerado mais clássico", afirmou, garantindo que a marca pretende ampliar as ofertas para a linha lingerie noite e meias 7/8 para mulheres que têm coxas mais grossas.

O fato é que as confecções estão cada vez mais inclinadas a investir em tecnologia, maquinário e matéria-prima a fim de valorizar o corpo da brasileira e atender a todos os biotipos. A Duloren, por exemplo, acaba de lançar sua linha plus size, com peças confeccionadas com maior porcentagem de elastano do que as calcinhas normais. Este diferencial contribui para a maior compressão e definição das curvas.

Hoje, os tamanhos grandes representam cerca de 40% das vendas da marca. De acordo com Denise Areal, diretora de Marketing e Estilo da Duloren, os modelos de antigamente voltados a este público eram "muito sem graça", tanto nas cores, como na modelagem: "Queremos que todas as mulheres se sintam sexy", disse.

Na Recco Lingerie, as mulheres mais cheinhas encontrarão grande oferta de produtos na coleção "Bella G", que busca favorecer este biótipo com decotes em "V", cortes evasês e alças largas, sem deixar de lado as rendas, cores alegres e o a cor preta, ótima aliada de quem está com uns quilinhos a mais. A linha já existe há 12 anos e vai até o manequim 56.

A grife Água Fresca também já embarcou no plus size, apostando em sutiãs com bojos estruturados e calcinhas com laterais mais largas, que amenizam as gorduras. "O tamanho GG para moda íntima era sinônimo de lingerie para senhoras, com peças só cor da pele e bem discretas, mas o que as mulheres querem são peças maiores, com a mesma sensualidade de uma peça em tamanho regular", confirma a dona da empresa, Juliana Moraes.

Os números crescem, o mercado atende

Independentemente do modelo, da cor ou da textura, um aspecto comum une as marcas de moda íntima que decidiram apostar no plus size: a demanda cresceu. A marca Dilady, que tem uma linha composta por numerações maiores, do 48 ao 54, atribui às peças 30% da produção total da confecção.

Em meio a uma gama diversificada de produtos voltados às gordinhas, estão tangas com regulagem, camisetas modeladoras, sutiãs e bermudas redutoras. "Pretendemos ampliar ainda mais essa participação, pois a carência é muito grande", garante o diretor Comercial e de Marketing da empresa, Márcio Pereira.

O aumento da procura também chamou a atenção da marca Elegance, do Rio Grande do Sul, que atualmente tem em torno de 25% das vendas voltadas às numerações acima do 42. A diretora presidente da marca presume que os números indicam também uma mudança de comportamento: "O que antes poderia representar aquela frase: 'Eu não tenho corpo para usar essa lingerie', hoje parece não intimidar as consumidoras plus size", reforça.

Já a marca Plié optou por não criar uma coleção exclusiva para as gordinhas, e sim, ampliar a numeração nos modelos oferecidos. A linha Control Line, composta por calcinhas, sutiãs, leggings e bodies, vai do 36 ao 48.

Segundo o diretor da empresa, a ideia é mostrar que a marca atende a todos os tamanhos, não só os maiores. Segundo ele, o Control Line, projetado para causar um efeito redutor de medidas, já representa 50% em volume de vendas entre as outras linhas da Plié.

No "Fale conosco" do site da DeMillus, outra consumidora disse: "Nós gordinhas também temos o direito de ficar lindas e sensuais, como todas as outras mulheres." Sugestão aceita pela empresa, detectada pelo mercado e comprovada nas prateleiras de lingeries brasileiras, que parecem estar cada vez mais democráticas.


Fonte: gmaravilhosas


You may also like